fbpx

Uma das grandes verdades do universo é que estamos em um cenário de frequentes avanços tecnológicos. Essa constante transformação impacta muito no mercado de trabalho, no qual diversas vagas são tomadas por máquinas, robôs e softwares inteligentes. Porém, é possível que os efeitos da tecnologia sejam mais positivos do que negativos — ao menos no que diz respeito às vagas de trabalho.

Cientistas de dados e analistas de marketing deverão ser mais valorizados em breve no mercado (Imagem: pexels.com)

Uma pesquisa recente da empresa norte-americana focada em recursos humanos Korn Ferry aponta que para próximo ano haverá uma carência de 1,8 milhão de pessoas para postos especializados no meio digital em todo o planeta, o destaque é para países em desenvolvimento. Por causa dessa carência, empresas do ramo podem deixar de faturar o equivalente a mais de R$ 165 milhões até o final do ano que vem, caso não consigam garimpar esses profissionais — faltam de especialistas em tecnologia no mercado.

Segundo um levantamento do Fórum Econômico Mundial publicado em 2018, a evolução do conhecimento e da ciência gerará, nos próximos anos, 58 milhões de postos de trabalho e serão necessários muitos humanos para isso. O mais emblemático exemplo desse superávit de vagas reside justamente no setor da tecnologia. Ainda segundo o estudo da Korn Ferry, algumas das profissões que estarão em falta serão as de cientista de dados, de analista de marketing digital, de desenvolvedor de produtos tecnológicos e de expert em segurança da informação.

No Brasil são mais de 12 milhões de desempregados e é importante que o trabalhador brasileiro saiba onde focar seus esforços para se encaixar no mercado. Ao que tudo indica, quem investir no meio tecnológico terá chances muito maiores de se dar bem mas sabemos que a caminhada é longa.

Fontes: Veja e Korn Ferry