fbpx

Este é um ramo que cresceu muito nos últimos anos e alguns dos especialistas em encontrar falhas na segurança de grandes empresas como o Facebook podem ganhar mais de R$ 1,5 milhão por ano.

O trabalho exige muito estudo e dedicação, na maioria são homens entre 18 e 29 anos. (Imagem: Pixabay)

Era verão do ano de 2016, Pranav Hivarekar, hacker profissional, iniciou uma missão para encontrar falhas no recurso mais recente do Facebook depois de um anúncio do gigante das redes sociais. Oito horas antes dele inciar sua caçada foi anunciado que o Facebook permitiria que os usuários comentassem nas postagens usando vídeos para descrever as falhas.
Pranav que morava na cidade indiana de Pune começou a hackear o sistema em busca de pontos fracos ou qualquer erro que criminosos pudessem explorar para invadir a rede de uma empresa e roubar dados. Depois de algum tempo ele encontrou no código falhas que poderiam ser usadas para excluir qualquer vídeo do Facebook.
“Descobri que era possível explorar o código e até excluir um vídeo enviado por Mark Zuckerberg, se quisesse”, disse Pranav, à BBC.
A falha foi relatada Facebook por meio de seu programa de “recompensa de bugs”. Duas semanas depois, ele foi recompensado com uma quantia de cinco dígitos em dólares.
Alguns hackers éticos estão ganhando muito dinheiro e essa indústria está crescendo. Os caçadores de bugs, que são falhas nos sistemas, são geralmente jovens. A indústria estima que mais de de dois terços deles têm entre 18 e 29 anos.
Mais e mais empresas têm recompensado em dinheiro estes profissionais por encontrarem brechas em seus códigos antes que os bandidos o façam. Encontrar uma falha desconhecida é muito difícil e pode levar a pagamentos significativos, talvez até centenas de milhares de dólares, que é um grande incentivo para hackers de elite.
Shivam Vashisht, um hacker ético do norte da Índia relatou que seus ganhos superaram US$ 125 mil em 2019, mais de meio milhão de reais.
É um campo que não requer educação formal ou experiência para ter sucesso. A maioria dos profissionais diz que aprendeu o processo através de pesquisas, blogs online e muitas noites sem dormir.